QUANDO O DESÂNIMO BATE À PORTA


Você já se percebeu naquele dia em que todo o universo parece conspirar contra você e bate aquele desânimo que parece ser eterno?

Saiba que esse é um sentimento bem comum, sobretudo se você está debaixo de um repuxo imenso em que esteja estabelecendo uma rotina que exige esforço, conscientização constante de seus objetivos e consolidação de novos hábitos.

Tudo isso obriga você a remar contra a maré, sair da sua zona de conforto e dizer “não” para muitas coisas com as quais você já está acostumado. Exige energia extra; exige você estar alerta para os eventuais automatismos; exige renovação voluntária da sua motivação; exige disciplina impecável…exige exige exige! É muita exigência!

O que acontece??? O cérebro diz BASTA! “Para o trem que quero descer!!!!”. E com isso, você entra no “modo de economia” quando sua energia fica em baixa e você fica não apenas desanimado, mas, também, perdido e com objetivos obscurecidos. Tudo parece distante e meio sem sentido.

Como evitar esse temeroso “fundo do poço”?

É importante não se deixar chegar a esse extremo. Se o caminho é longo, tire uma pausa para respirar. Se a estrada é cheia de pedras, sente e descanse. Se a rua é repleta de desafios, pare, vez ou outra, para relaxar e tomar fôlego. Sim! O segredo é simples: saber intermediar. Misturado a todas as atividades que exigem esforço, não deixe de lado aquilo que você gosta e traz prazer a você. Estude uma, duas horas e pare para uma xícara do seu chocolate predileto; esforce-se um dia inteiro e tome um banho gostoso e fumegante no final da noite; dedique-se a semana inteira e saia para passear naquele lugar onde você se sente a pessoa mais feliz do mundo.

Lembre-se que hábitos novos são como bebezinhos: precisam de atenção, de cuidado, de abrir mão de comportamentos que trazem conforto e familiaridade para que esses hábitos consigam crescer e se estabelecer. É normal que haja uma demanda além da que você está acostumado e essa energia precisa ser evocada paulatinamente e com inteligência. Se você usar todo o seu estoque de energia de uma vez só e sem parar para abastecer, o que acontece no final do trajeto? exaustão, desânimo, prostração.

A proposta é simples, mas é vitoriosa. Você não precisa lidar com tudo de uma vez só. Use sua inteligência, respeite seus limites e potencialize seu desempenho!