COMO EVITAR O BRANCO NA HORA DA PROVA

Você passa meses, semanas, horas e horas estudando e, de repente, quando mais precisa do conhecimento, ele escapa entre seus dedos?

Saiba como evitar o tão temido branco na hora da sua prova. Tão importante quanto o preparo técnico com domínio do conteúdo do seu edital, é o preparo emocional que vai propiciar a você um desempenho adequado e compatível com sua dedicação e estudo.

O branco é uma resposta do seu organismo ao excesso de ansiedade e de estresse gerado pelas situações da sua vida. Essas situações tanto podem ser em decorrência da sua preparação para a prova, quanto por outros assuntos que você esteja vivendo.

Seu organismo, mais especificamente uma glândula chamada Suprarrenal, produz um hormônio, entre outros, chamado cortisol que é o hormônio que mantém o seu estresse balanceado. Se você abusar da sorte e se meter em situações que demandem um esforço muito maior do que você dá conta, sua fisiologia vai responder inundando seu sangue com cortisol. O excesso dele no seu organismo vai promover alterações em várias partes do seu corpo preparando-o para uma ameaça extrema, para lutar. “Lutar” não no sentido mental, mas estritamente no sentido físico: sua pressão sanguínea sobe, sua reserva de açúcar é elevada no sangue, sua adrenalina aumenta deixando você mais agitado e, infelizmente, há, junto com o pacote, alterações em algumas funções cognitivas no seu cérebro, prejudicando sua memória, afinal o momento é de agir e – não – de pensar! Apesar de ser uma resposta inteligente e protetora do nosso organismo, o resultado é catastrófico para a prova: branco naquele momento!

O que podemos fazer para evitar esse desastre? Podemos trabalhar tanto preventivamente, quanto corretivamente. Preventivamente é um trabalho a longo prazo em que se prepara para evitar que a situação ocorra. Corretivamente é “operação apaga fogo”: uma vez instalado o branco, podemos tentar recuperar nosso equilíbrio interno para sairmos dele.

Para um trabalho preventivo é preciso pensar antecipadamente durante o período em que está se preparando:

EQUILÍBRIO NAS ATIVIDADES DIÁRIAS

Quando estiver organizando seu cronograma de estudos ou, se você não é do tipo que se organiza, apenas considere um certo equilíbrio entre estudos e lazer. Claro que, não estamos indicando um parque de diversões temporal, mas uma interação entre períodos de descanso e relaxamento com períodos de estudo intenso. Pedimos que considere isso na hora de estudar. Dê aquela paradinha básica para esticar as pernas, tomar um suco, olhar pela janela, conversar com alguém que você goste, fazer um lanchinho, enfim, um momento para dispersar o foco e dar uma trégua para o cérebro descansar.

SONO RESTAURADOR

Se você é do tipo que pensa que dormir é perda de tempo, pode ir se preparando para entrar na fila dos candidatos ao branco! Dormindo você restaura o equilíbrio do seu corpo, você oxigena seu cérebro, você oportuniza a internalização do conhecimento, você promove relaxamento mental e muitas outras benesses para seu organismo. Nesse caso, menos tempo estudando é mais, pois garante que aquilo que você já estudou não seja perdido por falta de descanso. No entanto, não use isso como desculpa para dormir até meio dia. O que estamos indicando aqui é um cronograma que contemple uma noite bem dormida tanto quanto as matérias A, B ou C.

EXERCÍCIOS FÍSICOS

Calma lá! Ninguém aqui está pedindo um atleta na sala de aula ou na mesa de estudos. Quando se indica a inclusão de exercícios físicos na sua rotina, estamos falando de qualquer exercício que você curta fazer e está valendo: passeio na quadra com o cachorro, uma corridinha no parque, uma rodada de exercícios na frente da TV ou, mais elaboradamente, uma academia, uma natação ou algo mais estruturado. Não, não precisa ser todos os dias, mas seria de bom grado que umas 3 vezes por semana você balançasse seu corpo com mais ritmo. Exercícios são excelentes relaxadores para sua mente, pois enche seu corpo de endorfinas, um hormônio que traz paz e felicidade!

ALIMENTAÇÃO

Sabemos que estudar gera ansiedade e cansaço e que, com isso, tendemos a procurar compensar desordenadamente na alimentação comendo tudo aquilo que repõe nossas reservas de energia mais rápido: doces, chocolates, bolos e os famosos lanchinhos fast food. Resista! A curto prazo a proposta é atrativa, mas os efeitos a longo prazo são desastrosos: digestão demorada, desordens intestinais, desequilíbrio do apetite e incômodas flatulências!!!! Foque numa alimentação balanceada. Não precisa ser um monge budista, mas tente incluir frutas, legumes, verduras em meio ao feijão, carne, arroz. Evite as frituras, o excesso de gordura, alimentos industrializados, condimentos pesados, refrigerantes e toneladas de cafeína. Não precisa cortar, sua rotina tem que ter seus prazeres, mas evite a prevalência desses alimentos diariamente.

EQUILÍBRIO NAS EMOÇÕES

É muito importante observamos as situações que nos tiram do sério. Se podemos evitá-la, faça. Aquela tia chata que liga para reclamar da vida, o cachorro que come seu chinelo, o Jornal Nacional que enche o ambiente de más notícias…enfim, seja qual for o lance que traz agitação para sua cabeça, se for possível, evite. Se porventura não for possível evitar, se são coisas que fazem parte das suas obrigações ou do seu convívio de forma compulsória, tente “reinventar”. Reinventar implica em tentar olhar para o evento estressor com um olhar diferente. Por exemplo, as notícias que estressam sua mente, pense que pode fazer sua parte no mundo para alterá-las, por menor que seja, algo sempre pode ser feito; a tia chata que liga para reclamar, coloque limites: sempre que ela fizer uma reclamação, jogue um elogio por cima; o cachorro que rói seus chinelos, pense que é uma fase dele e logo irá passar (enquanto não passa, deixe os chinelos sobre a mesa!). Renda-se a arte de reinventar e aquilo que era fator estressor, será uma excelente oportunidade de exercitar a criatividade tão importante para seu aprendizado.

VIDA AFETIVA E SOCIAL

Esse é outro aspecto que precisa ser equilibrado em meio a sua rotina de estudos. Deve-se, novamente, equilibrar. É bem comum haver muita reclamação de estarmos ausentes e fora do contexto familiar, de amigos e namorados durante o período em que estamos nos preparando para uma prova. Sente com as pessoas que você gosta e explique a eles a importância da sua dedicação aos estudos; explique o porquê, fale de seus objetivos, fale como isso irá mudar sua vida e como ficará mais feliz. Diga que não está abandonando ninguém, mas apenas limitando um pouco de tempo para poder se dedicar mais aos estudos. “Limitando” é diferente de “cortar”. Prime pela diminuição e não pela ausência. Tanto quanto eles, você precisa dessa socialização, do contato com quem você ama, sejam pais, amigos, namoradas ou, simplesmente, com seu pet.

Se você não fez nada disso. Resolveu viver trancado 24h dentro do seu quarto debruçado sobre os livros achando que dar tudo de si pode trazer resultados mais promissores e, com isso, se pega encarando o branco de frente no momento da sua prova, nem tudo está perdido. Aqui vão algumas dicas que podem ajudar para tentar driblar essa ausência de acesso a sua memória.

CERTEZA DO CONHECIMENTO

Agora que você conhece o motivo do porquê o branco ocorre, lembre-se que o conhecimento não foi embora. Ele está ali entocado em algum lugar da sua memória. O que você perdeu foi o acesso momentâneo. Equilibre suas emoções pensando nisso e tranquilize sua mente. É importante você se sentir seguro que o conteúdo está com você e a falta de acesso a ele logo poderá passar.

SELECIONE AS QUESTÕES MAIS FÁCEIS PRIMEIRO

Quando você opta por resolver as questões mais fáceis primeiro e percebe seu manejo e controle sobre a situação, isso eleva sua segurança pessoal e garante maior estabilidade da sua mente. Isso servirá como limitante para uma overdose de estresse, diminuindo a possibilidade de entrar em um branco.

PULAR PARA A PRÓXIMA QUESTÃO

Na questão que o branco aparecer, pule para a próxima. Às vezes, o conhecimento usada em outra questão pode ser relacionado com o conteúdo da questão onde ocorreu o branco e pode acabar “puxando” pela memória que está inacessível. Além disso, o ato de pular para outra questão e conseguir resolvê-la, em si, já eleva sua segurança e controle da situação ajudando a restabelecer a conexão perdida.

REDE DE INFORMAÇÕES

Qualquer palavra, informação correlacionada que possa pairar em sua mente sobre o conteúdo esquecido, anote-a imediatamente. O ato de anotar pode trazer de volta o conhecimento perdido, pois a informação no seu cérebro é feita em rede, em relações de similaridade. Anotar é um grande recurso para trazer de volta o que se perdeu.

DISPERSAR O FOCO

Você pensou, pensou e a coisa não veio? Hora de dispersar! Dê uma trégua para o esforço. Nesse caso, os minutos gastos valerão mais que ficar no esforço que aumentará seu nível de estresse como uma bola de neve. Nessa hora, pare, tome uma água, olhe pela janela, peça para fazer um pipi, coma aquele chocolatinho ou, mesmo, faça uma atividade mecânica, como preencher o gabarito para as questões que você já fez e está segura de estarem certas. Vale qualquer atividade que leve seu pensando para longe da questão em foco.

RESPIRAÇÃO

Dica simples, mas com efeito importante: pare para respirar! Não estamos falando daquela respiração mecânica que todos fazemos. Estamos indicando uma respiração profunda, consciente e lenta; sinta o ar entrando e saindo lentamente. Isso vai ajudar a reequilibrar suas emoções e oxigenar seu cérebro dando um “reset” nos seus neurônios. Vale a tentativa e custará apenas alguns minutos. Faça com vontade e intenção.

Escolha as dicas que acertem para você. Cada um funciona com suas próprias regras. O importante é que você reestabeleça seu equilíbrio.

Acima de tudo, considere a importância do preparo emocional para sua prova, tanto quanto da aquisição do conhecimento.

São dicas simples, porém eficientes que colocarão você à frente da sua concorrência. Justamente por serem simples, muitas pessoas não as consideram, achando perda de tempo.

Faça diferente; seja vencedor!